Saia da rotina e turbine a memória

Não adianta ler esta reportagem várias vezes para memorizar nossas dicas, mas prestar muita atenção em cada uma delas será essencial. “A boa memória depende de atenção. Se a pessoa está desatenta ou distraída, não fixa bem as informações”, explica a neuropsicóloga e professora da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG) Cláudia Memória. Considerando que esta é uma leitura importante para sua saúde faça uma reflexão crítica sobre o que vir desta página em diante. “A leitura nos dá agilidade mental, aumenta nosso vocabulário e facilita a capacidade de associar ideias”, a especialista ressalta. E se você tiver um marcador de texto ao seu lado, abuse dele. Se amarelo, melhor ainda, pois essa cor proporciona maior retenção que as outras.

Ler não somente desperta a visão, mas pode estimular outros sentidos. Um autor que escreve que certa personagem “sentiu o aroma de um bolo saboroso” faz que seu leitor resgate aromas de bolos saborosos em sua memória. Segundo o biólogo Douglas Engelke, do Laboratório de Neurobiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp, quanto mais diverso for o repertório de uma pessoa (literário, musical, cinematográfico etc.), melhor funcionará sua memória. Então, a grande dica é: não importa o tipo de leitura, se literária ou informativa, devore tudo o que vier pela frente.

Os efeitos do tempo

A redução do número de sinapses (as conexões entre os neurônios), o decréscimo na produção de neurotransmissores e os declínios do metabolismo são problemas naturais que acompanham o envelhecimento e, por consequência, nossas memórias – ou a capacidade de criá-las. Essas alterações se refletem na resolução de novos problemas e na velocidade com que processamos informações. “A capacidade de aprendizado se mantém ao longo da vida, porém é necessário um tempo maior de exposição ao conteúdo para sua aquisição”, diz Cláudia.

O biólogo Ilton da Silva, do Laboratório de Neurociências e Comportamento do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP) explica que manter uma constante atividade intelectual pode minimizar a perda de neurônios. Pessoas que tiveram uma atividade intensa do cérebro durante a vida protegem o órgão dessas perdas e têm menor suscetibilidade a doenças como a de Alzheimer. “Estudos mostram que há nascimento de neurônios todos os dias e que, além daquelas atividades intelectuais, eles podem ser estimulados por meio de atividades físicas. Quanto mais você fizer pelo seu cérebro, menos sofrerá quando a idade avançada chegar”, sugere ele.

Fonte: Revista Viva Saúde